terça-feira, 25 de Outubro de 2011

Dar é uma óptima ideia

EU DOU, é um projecto nacional e inovador, que pretende alterar o dia-a-dia dos Portugueses: passar de uma sociedade de consumo para uma comunidade de partilha.



Diariamente toneladas de objectos, como carrinhos de bebé, berços, auscultadores, aquecedores, telemóveis, brinquedos, sofás, chegam ao fim da sua utilidade. Alguns são colocados no mercado de usados, outros arrumados e esquecidos em sótãos e garagens, mas a grande maioria é deitada fora no lixo indiscriminado. A resposta para dar nova vida a estes bens é o DOU.pt.

O DOU.pt é uma plataforma digital, que faz a ponte entre quem se quer desfazer de um bem e quem o pretende receber, permitindo ultrapassar barreiras físicas como a distância, que de outra forma limitariam a doação.

O projecto prevê ainda que todos os objectos que não encontrem novos donos possam ser reciclados de forma ecológica, providenciando aos doadores informação sobre o centro de reciclagem mais próximo para o tipo de objecto em causa.

O DOU.pt vai estar disponível a partir de 31 de Outubro, Dia Mundial da Poupança, e vai ser oficialmente apresentado na Fundação Calouste Gulbenkian a 3 de Novembro.

quarta-feira, 19 de Outubro de 2011

IDEIA II: Um mini-canil em todas as escolas primárias


IDEIA II
Um mini-canil em todas as escolas primárias
Autor: Alvim
Prazo: Até ao final do ano lectivo.

DIFICULDADES ESPERADAS:
A logística de todo este processo. A resistência que poderão ter algumas escolas (professores e pais) a algo que é novo e que pode não ser assim tão consensual. Será necessário material para construir o mini-canil, comida para os animais e acompanhamento veterinário.

ENTIDADES QUE PODEM AJUDAR:
Ministério da Educação, empresas de material de construção (Aki, Leroy, Ikea, etc.), empresas de comida para animais (Nestlé e afins), ajuda veterinária (algum pai de um aluno com essa actividade que possa eventualmente disponibilizar-se).

IDEIA:
Todos os anos a história repete-se, por altura do verão – mais coisa menos coisa –,  fala-se sempre no abandono dos animais e nos constrangimentos vários que isso provoca. Mais do que um problema cíclico trata-se de um problema de base, estrutural até, que eventualmente pode ser mudado através de uma intervenção de base junto daqueles que podem construir uma relação mais estreita e uma nova forma de pensar os animais e a relação eterna que se deve ter com eles.

E assim, a ideia pretende criar um mini-canil em cada escola primária portuguesa. A comunidade escolar (directores, pais, professores e alunos) terão que, obviamente, se unir para construir um mini canil que consiga juntar em harmoniosa convivência cada um dos animais. O objectivo é que no início de cada ano lectivo, cada turma adopte um animal (cão ou gato ou outro facilmente domesticável) e que este seja tornado rapidamente a mascote do grupo e acompanhado por todos durante o ano. No final de cada ano lectivo, o animal será dado a um elemento da turma que desde logo mostre vontade em adoptá-lo ou, no caso de existir mais do que um, a turma inteira decidirá por votação a quem este será entregue. Nas férias de natal e Páscoa e Carnaval, terá que ser dada a guarda do animal ao que mostrar maior apego, sensibilidade e vontade para o fazer.

Assim, numa escola primária com 10 turmas existirão 10 animais ao seu cuidado o que perfaz 10 novos animais a entrarem e a saírem por cada ano lectivo, o que resultará não só num maior número de adopções de animais, mas também – e isto é possivelmente ainda mais importante – numa enorme sensibilização junto das crianças pela estima que devemos ter pelos animais e, obviamente, para o seu não abandono.

Este projecto terá que ter a bênção do Ministério da Educação que, se perceber que não terá custos adjacentes com isso, possivelmente não colocará qualquer entrave. Urge então convencer entidades privadas que possam fornecer material para construir o mini canil, comida para os animais e assistência veterinária. Parece-nos importante referir que quando pensamos em apoios, pensamos em marcas que eventualmente poderiam estar em algumas escolas e outras marcas noutras, de forma a suavizarmos o pedido para que este se torne mais apetecível. Quando pensamos numa marca como o Aki que poderia eventualmente fornecer algum material para construir um mini-canil para algumas escolas, parece-nos que, em muitos outros locais, há outras empresas que podem juntar-se ao projecto facilmente, devendo a estrutura do mini canil incluir o logótipo ou uma honrosa menção de cada das empresas e pessoas que ajudaram a erguê-lo.

Para além, na sua inauguração convidar-se-ia uma figura pública com reconhecimento junto mais novos para apadrinhar os animais da escola, fazendo com que assim a acção pudesse ter um maior reconhecimento junto da comunidade escolar envolvente, dos patrocinadores e dos meios de comunicação de cada um dos locais.   

***************

E pronto, para mote do É impossível, é impensável, é genial! ficam com esta ideia e a da entrada anterior, que poderão ser comentadas e ajudadas por cada um de vocês. Se quiserem incluir o grupo de acção de uma delas, basta enviarem um email justamente com este título Grupo de acção para impossivel.impensavel.genial@gmail.com. De resto, é para este mesmo endereço que podem enviar outras ideias que gostariam de juntar a estas e que vos pareçam praticáveis e úteis. Também podem enviar-nos links de boas ideias que já tenham visto em pratica noutros países e que fariam tudo o sentido também no nosso, desde que não se esqueçam nunca de revelar quem foram os seus autores e a vossa fonte. Podem enviar a vossa ideia textualmente ou por vídeo. Façamos pois disto algo menos impossível, muito menos impensável e absolutamente genial.

IDEIA I: Trailers de Teatro nos Teatros


IDEIA I
Trailers de Teatro nos Teatros
Autor: Alvim
Prazo: 6 meses

DIFICULDADES ESPERADAS:
Nem todos os teatros poderão ter uma tela para projectar os trailers  de outras companhias que lhes forem chegando. E nem todos as companhias irão aceitar promover outras peças que não as suas. Terá que existir um acordo entre todos em que se possam medir sensibilidades e públicos. O modelo é justamente o que acontece no cinema.

ENTIDADES QUE PODEM AJUDAR:
Secretaria de estado da Cultura, teatros de todo o país.

IDEIA:
A exemplo do que já acontece no cinema, antes de cada peça de teatro, deveria divulgar-se outras peças que estejam a acontecer em igual período noutras companhias. Antes do início do espectáculo, na tela que teria que existir para o efeito, seriam projectados seis trailers de peças de teatro de companhias que fariam parte do acordo entre todas. Os trailers não poderiam exceder um minuto de duração o que iria perfazer em média 6 minutos antes da peça começar. A vantagem é que essa companhia, ao promover outras 6, seria promovida igualmente com a sua peça em cada uma delas. Se não existirem invejas nem egos exacerbados, não vejo motivo algum para que isto não possa acontecer.

Manifesto: É impossível, é impensável, é genial


O mundo está em crise, não é só Portugal. Portugal sempre esteve em crise, não é novidade para ninguém. É certo que desta vez é pior, é a pior crise de sempre, mas ao contrário dos outros países, Portugal, que tanto falava da crise, que tanto dizia que isto nunca esteve pior e pardais ao ninho, tem agora um período de adaptação que eventualmente custará muito menos do que todos outros, uma vez que Portugal sempre foi assim. Ou quase assim, como aquelas mulheres que vestem sempre de preto.

Pois urge agir e vestir cores garridas, Portugal não pode meter as mãos nos bolsos como se isto fosse uma chuva passageira. Esta chuva não passa, isto é, esta chuva não vai passar por si só e Portugal tem que se abrigar durante esse tempo para que não se engripe de forma irreversível. Daí que acho que deveríamos criar um espaço onde juntássemos boas ideias e que rapidamente as tentássemos colocar em prática. Não é que as outras - as impraticáveis - não sejam aceites, mas nesta primeira fase vamos privilegiar as praticáveis.

E assim, quinzenalmente, comprometo-me a revelar uma ideia minha que possa servir de mote para outras ideias. O objectivo é, justamente, fomentar, motivar, impulsionar, criar um sem número de outras coisas que possam ser aproveitadas por este país que sabemos ser nosso (pelo menos, por enquanto).

Cada ideia deve anexar o nome do seu autor, os prazos que este prevê serem razoáveis para a executar e o que realmente se precisa (e aqui pede-se sempre a ajuda de todos) para que isto se concretize. Pode igualmente juntar-se o que se prevê difícil de conseguir ou mesmo os obstáculos que desde logo se mostram previsíveis.

As ideias não têm que ser enormes testamentos – não valerão mais por isso –  mas terão que ser definitivamente úteis e não muito difíceis de concretizar; se forem fáceis, melhor. Em todas elas, haverá sempre o mentor da ideia ao qual se juntará um grupo de pessoas que se mostre motivado e pronto a vê-las na pratica. Uma ideia no papel não valerá muito mais do que isso, mas vale muito quando sai dele e se torna indomável na vida cá fora.

De resto cada uma das ideias devia, desde logo, incluir prazos, entidades a contactar e o que realmente se precisa para que a ideia se concretize.

Repito: este espaço vai privilegiar ideias simples e fáceis de concretizar, mas também vai aceitar ideias que possam não ser executáveis mas utopicamente inspiradoras.

E assim, porque a explicação vai longa, saibam que baptizei esta iniciativa de:

É impossível, é impensável, é genial!
e tem este mail:

Para finalizar, deixem-me só dizer que as melhores ideias serão sempre reveladas neste blog e no facebook a ele associado – bem como o nome dos seus autores – e o objectivo é fazer com que muitas se concretizem e possam mais tarde ser reveladas num encontro com data e local que oportunamente revelaremos e onde se juntarão todos os seus criadores e todas as pessoas que de uma forma directa ou indirecta contribuíram para cada uma delas.

E porque alguém tem de dar o exemplo, na entrada seguinte deixo as duas primeiras. Para já, por escrito, eventualmente anexarei posteriormente um vídeo explicativo. 

Fernando Alvim